31/07/2017

"O EQUILÍBRIO COMO META MASTER"

Porque os extremos quase nunca são o melhor 

Por: Agnus Acontece

Na administração existe um termo chamado break even. Trata-se do Ponto de Equilíbrio que um negócio alcança quando a receita (ou dinheiro que entra) se torna igual às despesas (dinheiro que sai). Quando sabemos qual é esse número em um empresa, temos um referencial para alinhar a estratégia de crescimento, especialmente no curto e médio prazo.

Uma vez que empresas e pessoas tem comportamentos, ou mesmo temperamentos, bastante parecidos, podemos pensar no “Ponto de Equilíbrio” como algo a ser conhecido e buscado no âmago da individualidade. Em um projeto pessoal, seja ele qual for, até onde posso ir? Qual a minha capacidade de leva-lo até o final? Quais as minhas limitações que poderão atrapalhar no êxito desta empreita? E a mais importante de todas, até onde eu DESEJO ir?

Conhecer a si mesmo é o grande passo para evitar as armadilhas que nossas decisões podem criar. Saber de seu potencial vai levá-lo a superar as debilidades que o podem acorrentar e deixar estático por toda uma vida, porém superestimar suas capacidades sem ter ao menos uma prévia ciência de seus limites pode levá-lo, de fracasso em fracasso, a um processo de frustração continua nocivo e marcante para todos os seus dias.

Se uma empresa não tem a receita que pague e equilibre as despesas, ela tem sérias chances de não sobreviver. Se uma empresa busca metas implausíveis e fora de sua realidade, irá desmotivar sua equipe e a direção perderá sua credibilidade. A preguiça ou comodismo não podem ser remediados com uma busca desmedida e inconsequente por resultados intangíveis. Da mesma forma, “conhecer nossos números” é submeter nossa vida a uma análise racional que irá nos levar ao Ponto de Equilíbrio onde existe alegria, satisfação e principalmente, PAZ.

MARCIO MORETE
DIRETOR COMERCIAL
marcio@agnuslog.com.br